domingo, 14 de dezembro de 2014

"Saudade...palavra única que só existe na Língua Portuguesa"

Eu tenho saudade...
"Do tempo que o tempo era outro de romantismo, de confiança no ser, e não no ter. Saudades quando humano era humano, saudades da vila, das casinhas, da troca de gibis, jogar bilboquê, Klica (Bolinha de gude). pião no meio da rua, banhar-se em um ribeirão sem poluição. Saudades do Majestoso Hotel Holetz em Blumenau. Do centro histórico, da igrejinha São Paulo Apóstolo, tudo descaracterizado pelos insensatos donos do poder. Saudades quando o professor era valorizado, respeitado, até as autoridades... Saudades dos natais e do São Nicolau, do bombeiro, meu amigo e querido pai.

Saudades da cuca da Oma, do tear ao ruído das lançadeiras...Tec...tec...tec...tec, da sirene para alertar a entrada dos colaboradores da E.I. Garcia, das pescarias, das piavas e carás. Saudades do clube 12 e do bairro, o Anilado Amazonas, do seu magnifico e belo estádio que foi aterrado impiedosamente pelo “progresso” ou da covardia de alguns dirigentes da Artex. 

Saudades do Apito do Trem conduzido pela Macuca, que os “futuristas” destruíram em 1971. Saudades dos amigos, das primas que hoje...deixa pra lá. Saudades de apanhar no galho as goiabas, tangerina, araçás, pitangas, das festas Juninas de São João e São Pedro e desfiles pelas ruas, da fogueira, da pipoca, pinhão, quentão e premiação. Saudades do "desfile do papai Noel do agaême". 

Saudades do antigo colégio Luiz Delfino e São José, do cavalo Petiço, do Cavalinho Branco, da antiga Ponte Preta, do Sr. Russo e da Rua 12. Saudades do Cine Garcia, Busch, Blumenau, e Cine Mogk. Saudades das janelas abertas e portas destravadas, saudades quando o pinico não era o prédio do congresso, e da esplanada. Saudades de quando se fazia por amor, jogar futebol, trabalhos comunitários, vereadores, hoje tudo interesses econômicos, Saudades quando vermelho era cor do sangue do brio e não da ideologia... Saudades quando o homem não tinha vergonha de ser honesto e virtude era dever não obrigação.

Saudades da palavra, da honra da simplicidade, da humildade, das estrelas cadentes, do luar e do sertão. Saudades da gruta Nossa Senhora da Glória, saudades da Marcha do Esporte comandada por Tesoura Jr. Na Prc4 Rádio Clube de Blumenau. Saudades do “Pick-up da frigideira” (Rádio Clube Nereu) “A vida com alegria é outra coisa” apresentado por Nelson Rosembrock) do Programa Preto no Branco comandada pelo Lazinho, A Hora do Rei, Bandas e bandinhas, do repórter Catarinense e Esso. Saudades do Olímpico campeão, Guarani, Vasto Verde e Palmeiras, Saudades do galo Rodolfo Sestrem “Tempo e Placar no Dêba”, Só porque hoje é sábado, Blu é uma parada. Saudades da confeitaria Tonjes, da TV Coligadas Canal 3  das Lojas HM – Hermes Macedo e Prosdócimo.
Saudades da saudade, mas que o amor ainda existe."
Adalberto Day - Cientista Social e Pesquisador da História
(Blumenau-SC).

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

"Saudade...palavra única que só existe na Língua Portuguesa"

in memoriam

Eu tenho saudades...
"Dos meus tempos de criança, quando brincava de "gangorra" em minha terra natal, Santana dos Montes, que na época era distrito de Conselheiro Lafaiete. Apesar de ter percorrido o mundo e ter transmitido cinco copas do mundo, 1970 (México), 1974 (Alemanha), 1978 (Argentina), 1982 (Espanha) e 1986 (México), todas pela Rádio Inconfidência de Belo Horizonte, jamais esqueci minhas origens".
Alair Ferreira Rodrigues - (1937-2012)
Belo Horizonte/Lagoa Santa/Divinópolis

Eu tenho saudade...
"Dos Jogos memoráveis envolvendo Tupi, Tupynambás e Sport, no campeonato regional, quando a então Liga de Desportos de Juiz de Fora era uma liga profissional".
Antonio Bassoli (Sr Niquinha) - (1930-2011)
Sarandira/Juiz de Fora

Eu tenho saudade...
"Do trem de Ferro, da antiga Leopoldina, que passava por Bicas (minha terra natal), transportando passageiros e escoando a produção de café. Acordava cedo só para ouvir o repique do "sino" da estação, anunciando a chegada, ou a partida, de mais um trem de passageiro"
Edson Maini (Sr Didi)  (19-2007)
Bicas/Juiz de Fora

Eu tenho Saudade.....
"Do transporte ferroviário de passageiros, que interligavam as cidades, encurtando distância, levando e trazendo o progresso. Aqui em Santos Dumont eram 14 trens descendo e 14 subindo. Muitos cruzavam aqui, época em que os maquinistas traziam, gentilmente, bilhetes dos familiares de outras cidades da região, principalmente, do ramal de Mercês, dando noticias, comunicando as novidades. Saudade dos tempos em que o pagamento dos ferroviários chegava no "trem pagador", puxado por locomotivas, que na época eram movidas por carvão mineral  ou óleo diesel, e que nunca foi assaltado, o que não aconteceria nos dias de hoje. Saudade do doce de leite Borboleta, que até hoje ninguém conseguiu fazer igual, do queijo do reino Palmira, da manteiga verdadeira e pura. Produtos esses, conhecido em muitos países. Saudades dos  famosos circos que por aqui chegavam, dos filmes que eram exibidos nos dois cinemas da cidade".
Jorge de Castro - (1944-2014)
Santos Dumont-MG

Eu tenho saudade...
"Das partidas de futebol que o Santos Futebol Clube, do bairro Floresta, realizava no campo da Fábrica de Tecidos São João Evangelista e que a família Carbogim era base do time, com Zé Alemão, Gabriel e Rafael, além de meu sobrinho Flávio, como mascote"
Miguel Priamo Carbogim - (1942-2010)
Juiz de Fora

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

"Saudade...palavra única que só existe na Língua Portuguesa"

Não Machucava Tanto...
Messody Ramiro Benoliel*
Não Machucava tanto como agora,
suportaria se não fosse assim
este vazio no romper d´aurora

e esta tristeza me levando ao fim.

         II
É dor constante que se revigora,
é nostalgia, é solidão enfim...
tudo me falta e a natureza chora,
ingrata vida se negando a mim.

         III
Tento encontrar razões para viver
procurando entender tal sentimento
que mansamente, só me faz sofrer !

         IV
Mas hoje sei, parece até castigo,
quem não me deixa nem por um momento:
É A SAUDADE, EM BUSCA DE UM ABRIGO !

Messody Benoliel é o atual Presidente da Academia Brasileira de Trova, fundada em 1960.  

NOTAS DE ESCLARECIMENTO:
"A saudade é bandoleira,
sem hoje, sem amanhã,
travosa como a cidreira
rosada, como  a romã"

SAUDADE EM UM SONETO IMPERFEITO
Newton Rodrigues*


Pra recordar de vez desse amor
Pois no canto triste da sorte
Se faz em instantes distintos, se for
Lacrimejando os anseios de morte


Nunca é demais que um dia recorde
Na espera, viver com sentido
no mesmo passado a limpo, acorde
Revelando ser  o presente,  querido.


Lembrando instantes de angústia, não pára
Consciente de tudo aquilo que amplia
Na mesma ponte que une, separa


Mantendo alegre a saudade de um dia
Que sempre retorna aos poucos e é cara
Fazendo sofrer quem jamais deveria.

ZÉPHYR
Newton Rodrigues*

A lembrança de seu corpo recupera,
em mim, a suave tez que não repele;
pr’a  se conter, meu corpo então libera
hormônio fervilhante em toda a pele.

Uma doce sensação induz a mente
e recompõe o fio ao qual se agarra
deixando encarcerados, felizmente,
desejos recolhidos à força, à marra.

Por quê? – Pergunto e calo resoluto
me pondo entristecido, ainda luto,
não escondendo a dor e o tormento...

... de vê-la assim, tão perto, mesmo em sonho,
Que em destilada forma recomponho,
Sorvendo o que sobrou em pensamento.

(extraído do livro “Fragmentos e Algumas Mensagens Dedicadas”, p. 82, 2012)


A CHUVA
Newton Rodrigues*

Quando crianças, a chuva despertava, em nós, um fascínio.
Da janela, hipnotizados, passávamos um longo período apreciando o balé dos pingos que caiam, harmoniosamente, molhando a nossa visão do mundo.
Crescemos e o encanto parece que se foi. Hoje, quando chove, corremos como quem foge de uma praga, de um animal feroz, de um carro em alta velocidade, de um cobrador mal-educado, de um gerente de banco pressionado, de um telefonema de madrugada, e por aí vai! Mas, fugimos.
Apesar de ácida, a água da chuva ainda é uma das manifestações da natureza, no meio urbano, ao alcance de todos. É lógico que os riscos existem, mas, por que não se deixar molhar, despreocupadamente, pela primeira chuva que vier? Pode ser uma volta ao passado. Como crianças crescidas, uma meia-hora de chuva pode lavar a nossa alma, sedenta de paz e tranqüilidade. Acredite: a liberdade conquistada na maturidade nos concede o direito de chutar poças d’água em dias de chuva.
Talvez o medo do ridículo impeça um grande número de pessoas de sentir a alegria de se molhar, sob a chuva, sem pensar na vida estressante que nos pressiona e, a todo instante, mostra que crescemos e, como adultos, temos, erroneamente, compromisso exclusivo com a materialidade de nossas rotinas.
O medo do escárnio leva-nos ao descarte de ótimas oportunidades para viajar no tempo revivendo sensações de crianças se apresentando em inocentes pingos de chuva que nos empurram, assustados, para debaixo da primeira marquise que avistamos.
(extraído do livro “Fragmentos e Algumas Mensagens Dedicadas”, p. 86, 2012)

Newton Rodrigues - Jornalista Esportivo e Escritor
Anápolis-GO

NOTAS DE ESCLARECIMENTO:
A saudade, recordação nostálgica e suave de bons momentos, penetra a metafísica de todos nós. Fatos, lugares, pessoas e principalmente as sensações que viajam no tempo são os fios condutores que trazem a saudade para nos fazer melhores, pois os bons sentimentos sempre ficam e permanecem enquanto há vida.

Do que sentimos saudades...

por Wagner Waltenberg 

01)   Do tempo em que os homens conseguiam intuir e resolver à  contento, o “complexo”  cálculo mental  entre a aproximação de um veículo e o tempo necessário para atravessar uma rua, sem a necessidade de um bonequinho verde e vermelho pra saber se deve ou não atravessar a rua.

02)   Quando as pessoas sabiam que é mais fácil parar 70 ou 100 quilogramas do que uma tonelada ou dez, produzindo desgaste de peças e pneus, que fazem aumentar muito os lucros de produção e distribuição fabril, cujas consequências todos nós já sabemos.

03)   Quando por princípios, dirigíamos um e-mail para uma única pessoa, sem cópia oculta,  exceto os  e-mails em massa

04)   Quando sem necessidade de lei, dávamos prioridade aos idosos e crianças e não se batia em mulheres pela fragilidade física aparente

05)   Quando as leis tinham por objeto a regulação social, razão principal de sua existência.

06)    Quando o mais importante era a idéia e não a patente.

07)   Quando entre a tolerância zero e a tolerância, havia o bom senso.

08)   Quando as pessoas intuíam a “complexa” relação entre o teor alcoólico ingerido e capacidade funcional e operacional futura.

09)    Quando as leis ”moravam“ dentro do indivíduo, afinal não há necessidade de leis para aquilo que ninguém quer fazer

10)  Quando não era necessário simuladores virtuais para auto escola pra depois passar para automóveis: somos retardados?

11) Quando as setas de um automóvel eram supérfluas, por que conseguíamos perceber para onde iria virar somente observando seu movimento lateral.

12) Quando era consenso que as ruas e avenidas pertenciam aos carros e as calçadas aos pedestres

Diagnóstico: vai ser difícil desconstruir tudo isso. Um exército de anômicos!!!
Fonte: www.noticiasimpossiveis.wordpress.com

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

"Saudade...palavra única que só existe na Língua Portuguesa"

Eu  tenho saudade,,,
"Da estação do Tangará, onde o trem parava  trazendo entes  queridos de São Paulo. A  estação de trem do Tangará era no município de Uberaba , zona rural, onde  eu e  todos os meus  irmãos  nascemos.
Éramos muito felizes alí. Até hoje quando visitamos o local sentimos um enorme aperto no peito .Isso é saudade!
Também tenho saudades  de quando meu pai voltava da cidade descendo  aquela  estrada em sua carroça trazendo pequenas  garrafas de guaraná, o  que nos davam  muitas  alegrias. Quanta  saudades  tenho das  quitandas  que minha mãe  fazia no forno com muita brasa. As saudades  nos fazem chorar."
Adalberto Gomes  Pires - Professor/Educador/Pedagogo 
Uberaba-MG

Eu tenho saudade...
"Dos domingos na cidade de Pingo D'água, de manhã ajudávamos a podar o campo com trator e roçadeira, aquele cheiro da grama cortada ainda ficou até hoje, e é só passar perto de alguém podando um jardim e a lembrança vem na hora, e a tarde era hora de dar espetáculo com a camisa do Juping no campo que cuidamos com muito carinho."
Adilson Begatti- Cronista esportivo e Metalúrgico
Coronel Fabriciano-MG

Eu tenho saudades...
"Do bairro Bom Pastor, Rua João Penido Filho, onde vivi por 05 anos e tive meu primeiro filho... Saudades dos meus colegas da turma de Letras da UFJF (1975), cujos formandos nunca mais os encontrei... Saudades da Rua Halfeld com suas lojinhas e galerias... da Avenida Rio Branco e a majestade de seus edifícios em dias ensolarados... Saudades dessa terrinha mineira!!!"
Admar Falante - Professora e Advogada
Santo Antonio de Pádua-RJ

Eu tenho saudades...
"Da velha rua Halfeld, com seus cafés e restaurantes de antigamente: 
Descendo da Av.Rio Branco até a Batista: Café Astória, Casa do café, Pigalle, Salvaterra, Real, Churrascaria Palacio, Pizzaria Michelangelo. Alem do ¨Futting¨nas noites de sábado e domingo, quando havia naturalmente,¨mão e contra-mão¨, descia-se pela direita e subia pela esquerda, tudo ordeiramente sem nada para dividir as pessoas e sem ninguem atropelar os outros."
Adonise José Ribeiro - Odontólogo e Professor
Juiz de Fora-MG 

Eu tenho saudade de...
"Andar de bonde, paquerar sábado de manhã na rua Halfeld, dançar coladinho, dois prá lá, dois prá car, bater pelada na rua"
Amaury Couri - Engenheiro Civil
Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudade...
"Do tempo em que a praça da cidade tinha espaço para as crianças ...lago com peixinhos. Os "coquinhos" caiam pelo chão e as crianças se divertiam tentando abrí-los para comer. O espaço de areia era disputado e ninguém se importava em sujar os pés...não se ouvia os gritos das mães desesperadas e irritadas pelos filhos que insistiam em gastar dinheiro no "pula-pula". A diversão era interminável e gratuita."
Ana Karina Veiga - Jornalista - Professora e Estudante de Direito
Santos Dumont-MG


Eu tenho Saudade...
"Da mais dolorida, a saudade de perder a pessoa amada. Depois de 32 anos, 09 meses e 27 dias dormindo ao lado do meu homem, Petronilho Almeida(1949/2014), ele, inesperadamente, teve um infarto e partiu, deixando em meu coração a dor profunda da saudade..."
Ana Miranda - dona de casa
Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudades...
"Dos GRANDES E POMPOSOS DESFILES CARNAVALESCOS NA AV.RIO BRANCO, que as famílias iam assistir sem medo de voltar para casa. Saudade dos times locais famosos, Sport Clube Juiz de Fora,Tupinambás e Tupi. Ouvíamos os jogos pela radio vibrando muito, e minha família principalmente, com a atuação de meu irmão Luiz Gonzaga (Azeitona. Dos programas musicais tais como "Grande Musical" às 21:00h, "Chá das cinco", "As dez mais". Até mesmo ouvir a "Ronda policial" da saudade porque as noticias não eram tão ruins quanto agora.Saudade de ver na linha férrea o carro de boi passar,saudade de no início da madrugada ouvir o tropel do gado indo para o matadouro, ver o trem Vera Cruz com o pessoal jantando, ver e ouvir o apito da Maria Fumaça, Do Faisão Dourado, em uma galeira da Avenida São João, dos programas do Tio Teteco, do cinema Central e do cinema Rex ..."
Ângela Maria De Sousa - Médica Nefrologista
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"De Valter Paradela, radialista de Campinas-SP, fazendo trocadilhos fantásticos com Zaimam de Brito pela radio CBN de Campinas alguns tempos atras. Parece que foi ontem, mas isso faz falta muita falta!"
Antonio Célio Lage -
Campinas-SP

Eu tenho saudade...
"Da minha querida escola de samba Castelo de Ouro, quem não se lembra e tem saudades? "O meu boi morreu o meu boi bumbá", há quantas saudades...Avenida Rio Branco palco de lindos carnavais que não voltam jamais, e só saudades...Só saudades!!!"
Antonio Pedro de Almeida (Pedro Tryca) - Repórter Cinematográfico
Juioz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"Do bonde em Campinas (SP), um veículo totalmente aberto, um convite pra gente sentir a brisa no rosto. E os cobradores, então! Dobravam o dinheiro de forma vertical e o colocada entre os dedos. Era o maior barato. Pena que em minha cidade eles pararam de circular em 1969, deixando muita saudade!"
Ariovaldo Izac - Cronista Esportivo
Campinas - SP


Eu tenho saudade...
"Das brincadeiras de rua quando menino, morador na época do bairro Manoel Honório/Bairu, jogar bola e sonhar ser um grande jogador (Zico, Roberto Dinamite...), pique bandeira, pique lata e carrinho de rolimã. Bons tempos de nossa infância, onde o inverno na terrinha parecia ser mais rigoroso e ir a cidade (centro), era um grande evento."

Beto Campos- Produtor Cultural

Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudade...
"Dos bailes de carnaval nos clubes da cidade, na década de 1980, onde a diversão era muito mais sadia.Também tenho muita saudade quando eu apresentava bailes nos clubes de Juiz de Fora e cidades vizinhas. Saudade da eterna rádio Mundial 860, onde sempre buscava os novos hits para tocar no meu programa radiofônico. Bons tempos..."
Carlos Augusto de Oliveira (Guto) - Radialista
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"Das peladas do Clube D.Pedro, com as participações de saudosos amigos como o Affonso Motta, o Fernando Senra, o Amaury Alves, o Alvaro Sá Gomes, o  Mauro Marsicano Ribeiro, o Carneirinho, o Nilton Maizonetti, o José Raphael (Feféu) , o Odilon Pedrosa, O Ivan Oliveira, o Roberto Andrade, o Alfredo Moraes  e muitos outros que hoje devem estar jogando lá em cima sob a arbitragem de São Pedro".
Carlos Sampaio - Publicitário e Radialista
Juiz de Fora- MG

Eu tenho saudade...
"Dos bailes de domingo no Clube Nilopolitano em Nilópolis. Existia um ritual: primeiro íamos à missa às 19h00 na Igreja Nossa Senhora da Conceição e era o máximo quando o padre pedia "... e agora cumprimente o seu irmão ao seu lado...". Nossa, era demais! Era a grande hora de olhar nos olhos da paquera que estava do nosso lado. Logo após a missa, seguíamos para o Baile no Clube... Ah, que tempo bom!
Carmen Aguileira - Professora
Rio de Janeiro-RJ


Eu tenho saudade...
“Do tempo em que nossos avós colocavam as cadeiras na porta das casas e ficavam conversando com os filhos, amigos e vizinhos, e, as crianças brincando ao redor”
Dalva Maria Frange Miziara Oliveira - Funcionária Pública Municipal
Uberaba-MG

Eu tenho saudade...
"De andar de Xangai, eu passeava muito de Xangai nos finais de semana indo para Matias ou Benfica com minhas irmãs e colegas, e muitas pessoas também com suas famílias faziam o mesmo, era um divertimento para quem não tinha condições de viajar de carro,  como seria bom se  voltasse,  além do preço acessível para as pessoas que moram em outras cidades como Matias poderem vir trabalhar em Juiz de Fora com um menor custo."

Cláudia Aparecida Faria - Assistente Social

Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudade...
"De muitas coisas, mas em especial da Rádio Panorama. Porque tenho saudade dela? Foi um furacão que apareceu aqui na cidade. Foi um enorme sucesso, magnífico sucesso. Programação, locutores, enfim uma Rádio que tinha tanta audiência, como uma Tv,

Quando era na Rua São João, num aquário, as pessoas se aglomeravam o dia todo para ver os locutores e seus programas.

Tive a felicidade de compor todas as músicas dessa emissora e foram trilhas e jingles que marcaram muito a rádio, a cidade e o meu trabalho."

Dhaal Souza - Músico

(Juiz de Fora-MG)


Eu tenho saudade...
"Das peladas jogadas descalço no paralelepípedo na minha cidade, Nova Friburgo.
Tenho saudades dos acampamentos, próximo as cachoeiras, em Lumiar e São Pedro da Serra, (Friburgo também). Enfim, tenho saudades do tempo em que, por descuido, pisávamos em alguém, pediamos desculpa e a pessoa sorria."
David Rangel - Radialista
Nova Friburgo-RJ/Rio de Janeiro-RJ


Eu tenho saudade...
"Do Rádio qualificado do qual participei por quase vinte anos na Rádio Jovem Pan de São Paulo. Havia respeito aos profissionais, registro em CTPS, ao contrário do que ocorre hoje, quando para continuar em atividade é necessário vender publicidade para fazer o salário. Das narrações esportivas qualificadas, hoje foram trocada por gritarias, piadas, pornografias, mais comentários e estatísticas do que narração."
Edemar Annuseck - Jornalista/Radialista
Curitiba-PR


Eu tenho saudade...
"Dos bailes do Vasquinho (Associação Atlética Vasco da Gama) no bairro Fábrica, do Sírio e Libanês, no Centro onde a garotada ia para paquerar e se divertir. Eram noites de pura inocência e ilusão. Tenho saudades do Museu Mariano Procópio na época em que tinha o parquinho onde podíamos brincar a vontade e dos pedalinhos de onde víamos os micos mais de perto. Tenho saudades do pipoqueiro, (não me lembro o nome dele), que ficava em frente ao Edifício Brumado, no Centro, era a melhor pipoca da cidade e ir ao Centro em dia de domingo não era passeio se não comêssemos a pipoca que ele fazia. Tenho saudades da época em que podíamos sair à rua sem medo dos assaltos e as famílias podiam ficar sentadas na calçada só batendo bapo num fim de noite ou num entardecer de um domingo. Tenho saudades, do tempo em que andávamos no Calçadão da Rua Halfeld e cumprimentávamos quase todas as pessoas, hoje em dia é raro encontrar um conhecido. Tenho saudade da época em que as ruas eram tranquilas e você podia passar sem se esbarrar em ninguém, sem o tumulto de tantas pessoas. Tenho saudade da época em que os cinemas da cidade, Excelsior, Pálace, Cine Teatro Central eram o ponto de encontro dos jovens que queriam iniciar um namoro. Em cada fase de nossas vidas, uma saudade diferente. Hoje, olho essa cidade onde as pessoas se esbarram frequentemente, sempre com pressa, sem ao menos se olharem, ou quando olho para o calçadão e vejo aquele mar de pessoas num vai e vem frenético, e penso na época em que o transito era tranquilo e não tínhamos o stress de engarrafamentos. Nascida e criada aqui nossas únicas diversões eram os cinemas e o calçadão, não tinha shoppings e nem computadores e celulares. Enfim, muitas saudades de tempos que já não voltam mais e as crianças e a juventude de hoje sentirão futuramente a mesma nostalgia que nos vem ao coração ao relembrarmos de velhos tempos.  Saudade, é tudo que nos resta."
Efigênia Ângela Smânio Campos - Funcionária Pública Municipal
Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudade da...
"Minha infância e adolescência vivida em Itapiruçu, distrito de Palma/MG pequena cidade situada na zona da mata mineira. Me lembro saudosamente de tomar banho de cachoeira, ir para a escola de pé (na época não havia transporte escolar), as brincadeiras de rua, pescaria de anzol no Rio Pomba, colher frutas e comer no pé (goiaba, jabuticaba, jambo, tangerina, laranja e acerola) sem lavar tem um sabor muito melhor, lembro das festinhas nas cidades vizinhas a maioria delas eram festejos da igreja ou exposições agropecuárias e passar férias nas praias de Piúma, Marataízes e Guarapari/ES (só dava mineiro por lá nesta época). Eita tempo bom, passou, não volta mais..."
Fabio Antonio da Silva Arruda - Administrador, Coacher e idealizador do blog Arruda Consult 

São Luis-MA

Eu tenho saudade...
"Da minha infância quando não havia outro meio de transporte a não ser a Maria Fumaça que levava três longos dias para vir de Joinville, no norte de Santa Catarina, para São Paulo, onde sempre estava ali nos esperando um Guarda Civil meu tio, o saudoso Zé Capote. Este era seu apelido pelo uso frequente do casaco que a guarda civil usava naquela época. Tenho saudade também do apito e das fagulhas de brasas que a máquina soltava e que queimava meu amado vestidinho que com zelo embolava entre pernas para não ser queimado.
Também tinha o carro restaurante que papai nos conduzia para o almoço e jantar e nos intervalos tinha o garçom, atencioso, vendendo guaraná. Os vagões de trens na época não eram de primeira e seus bancos eram de madeira, ripados, muito incômodos. Dormíamos nos corredores cobertos pela capa de lã do papai, que era militar. A  chegada, o destino final, era na Estação da Luz, no coração de São Paulo. Que saudades daquele tempo que não volta mais!"
Faruk Ruth 
São Paulo-SP

Eu tenho saudade...
"De brincar nas ruas do bairro Retiro e da Vila São José, quando a criançada descia o morro de terra empoeirada com nosso carrinhos de rolimã, era uma festa e quando a gente chegava perto do córrego fizemos um desvio e íamos diretos prá água, depois a gente subia o morro de volta e fazíamos o mesmo trajeto. Era bom demais!

Também posso afirmar que jogávamos aquela bola esperta na Vila São José, na rua do famoso Bar do Totonho, como era gostoso!

Tenho saudades também da Semana Santa organizada pelos padres redentoristas do Seminário da Floresta, uma parte saia da igreja Nossa Senhora de Fátima, no Retiro, com a imagem da santa e a outra saia do bairro Floresta com a imagem de Cristo, isso na Procissão do Encontro. Era bonito demais!.

Tenho saudades de um futebol regional com Tupi, Sport e Tupynambás, além dos clubes da região como Independente de Além Paraiba, Biquense de Bicas, Ribeiro Junqueira de Leopoldina, Olimpic e Vila do Carmo de Barbacena, Barroso de Barroso, Atletic de São João Del Rey  e etc. Os campos ficavam cheios e os torcedores apaixonados ficavam encostadinhos no alambrado na beira do campo gritando palvras de incentivo e xingando os jogadores adversários. Era casa cheia, nos estádios aqui em Juiz de Fora como O José Pais Soares, campo do Tupinambás, Procópio Teixeira, campo do Sport Club Juiz de Fora e o caldeirão do Galo, o estádio Sales Oliveira.

Já no carnaval, tenho saudades de um tempo que as quadras das escolas de samba ficavam lotadas de simpatizantes e os desfiles eram na Av. Rio Branco com o público lotando as escadarias da Catedral Metropolitana e ao longo da famosa avenida. Tempos que não voltam mais, quem viu quadra cheia viu. Real Grandeza, Feliz Lembrança, Juventude Imperial, Turunas do Riachuelo e Partido Alto, disputavam a presença dos rapazes e moças bonitas, organizando sempre uma disputa interna. Como era gostoso esse tempo!"
Fernando Luiz Baldioti - Jornalista e Radialista
Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudade...
"Do bonde que me levava do Largo de São Roque até o Parque Halfeld, todos os dias, onde eu descia para ir a pé, estudar na Academia de Comércio. Era o ano de de 1958, tem tempo isso e Juiz de Fora tinha apenas 100 mil habitantes! Tempo bom!"
Fernando Sérgio Grandinetti Pinto - Radialista e Jornalista
Cruzeiro-SP/Juiz de Fora-MG/
Rio de Janeiro-RJ

Eu tenho saudade...
“Das viagens de férias ao sítio de meus avós, Amador ( ) e Gabriela ( ), no Bananal, município de Guaraciaba, em Minas Gerais. Minha família e eu saíamos de São Paulo todo mês de julho com muita animação e durante longas horas de viagem minhas irmãs e eu planejávamos os passeios, desejávamos as comidas e ansiávamos pelo encontro com nossos queridos avós. Lembro-me de desejar tanto a sopinha da vó Gabriela que até sentia aquele gosto divino em minha boca, o queijo e o bolinho de polvilho não ficavam atrás. Fazíamos companhia ao Vô Amador para rezar o terço todas as noites, mas quando encontrávamos os primos era difícil segurar o riso e os olhares de reprovação de nossas mães eram inevitáveis.
Tenho saudade do doce de cidra, da galinha caipira, de alimentar os bezerros escondido, de subir no pé de laranja, de pegar bicho de pé, de correr pelo pasto fugindo das vacas, de cada café tomado em visitas aos vizinhos, de ouvir histórias sobre a infância da minha mãe e dos meus tios contadas com tanto carinho por meus avós e, principalmente, tenho saudade de olhar o rostinho deles cada vez que íamos embora e ter a inocente certeza de que eles estariam lá no próximo ano...”
Gabriella Morais Ossani - Engenheira Elétrica
São Paulo-SP

Eu tenho saudade...
"Do bairro São Mateus, onde passei toda minha infância. Estudei no Grupo Escolar Duque de Caxias e sempre nos finais de semana jogava pelada na quadra do Colégio São José, na esquina da Rua Dr., Romualdo com Avenida Barão do Rio Branco. Lembro-me das enchentes no bairro e nas águas que invadiam tanto as casas da Romualdo (parte baixa) quanto a Rua São Mateus. Da mesma forma, recordo com satisfação a construção da Avenida Independência na primeira administração do prefeito Itamar Franco, pois jogávamos bola em cima das galerias que estavam sendo construídas sobre o Córrego da Independência.
Também tenho saudades das "lavadeiras" na Estrada de São Pedro, com as trouxas de roupas sendo conduzidas pelos carros de boi, em 1971, quando entrei para o Colégio de Aplicação João XXIII, que funcionava no antigo Instituto de Ciências Humanas e Letras - ICHL.
Outra lembrança bastante saudosa: as sessões de cinema no Excelsior, no Central, com sua programação dupla, e no Festival, com seus selecionados filmes de arte."  
Geraldo Muanis - Jornalista e Escritor
Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudade...
"Do 'Trem Xangai", dos passeios no Museu Mariano Procópio, das férias em Valadares, das couves fininhas e dos bolinhos de chuva..."
Geraldina Antonia Evangelina de Oliveira - Professora
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"E muita, de minha infância na rua Santo Antonio aqui em Juiz de Fora, quando nos reuníamos diariamente à noite em casa de minha Avó materna e lá encontrávamos com tios e primos para papos deliciosos de jovens e adultos, sempre alegres e felizes.
Hoje, nada disso existe mais.
Também tenho saudade de meus AMIGOS e de meus trabalhos na área por mim escolhida que sempre atuei com muito carinho profissional e ética.Infelizmente, alguns já não estão mais em nosso convívio."
Glauco Horta Fassheber - Radialista e Jornalista
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudades do...
"Do tempo em que as emissoras de rádio de Juiz de Fora tinham as transmissões esportivas como uma de suas atrações. E mais ainda, da época de ouro da Rádio Nova Cidade, cuja equipe esportiva levou a emissora ao primeiro lugar no Ibope durante três anos, desbancando a Solar, que durante décadas comandou a audiência. No comando, a saudoso Silva Júnior (Moacir da Silva Filho-1954-2002), um magnífico narrador, sempre acompanhado pelo também saudoso Dirceu Buzinari (1937-2006), no comentários. Depois vieram o Alberto Bejani como narrador e o José Eduardo Araújo nos comentários, além de Geraldo Magela Tavares. E lá estava este esse seu amigo, juntamente com o Fernando Luiz Baldioti, o "baleia", nas reportagens, juntamente com os irmãos José Carlos e Luiz Carlos Masson e do Guilherme Henrique, hoje, Guilherme Mendes, que é o responsável pela Comunicação do Cruzeiro Esporte Clube, e que também virou narrador. Outros mais integraram a equipe, com destaque para a melhor dupla de plantão que já vi trabalhar: Jamil Saleme e Marco Antônio Riani e, depois, o Chico Cícero, que parece ser o único remanescente daquela grande equipe em atividade, ao lado do Ivan Costa, que também esteve um tempo no grupo".
Gleno Rocha - Jornalista
Belo Horizonte-MG


Eu tenho Saudade...
"Que é amigo falar de uma coisa muito boa, pois essa danada bate forte dentro do nosso coração, recordando algo que já se foi, por exemplo, eu recordo e tenho saudade, quando profissionalmente comandava o meu programa radiofônico, "Tarde Noite Cabocla", 30 anos no ar, das 17h às 19h, de segunda a sexta-feira, de sua abertura que dizia assim: Ao abrir as janelas coloridas do crepúsculo, no apagar dos raios rotineiro do astro solar, no acender das luzes das estrelas, na expectativa noite que chega e do dia que vai embora... a rádio Estrela apresenta com o comunicador Hairton Dias mais um programa da série ilustrada... Tarde Noite Cabocla... Aqui o sertão canta mais bonito!"
Hairton Dias - Radialista
Ituiutaba-MG

Eu tenho saudade...
"Da emoção que produziu aquele torrente de lágrimas que pareciam tão amargas"
Ilza Maria de Oliveira Pereira - Diretora Comercial
Santana do Livramento-RS

Eu tenho saudade do...
"Tempo em que eu não sabia que havia maldade, e o meu mundo era o quintal de minha casa, com  meus animais de estimação"
Iran Jacob - Palestrante Motivacional/Consultor e Assessor Empresarial
Ubá-MG

Eu tenho saudade...
"Dos tempos de uma Rua Halfeld, considerada, nos meus tempos de juventude, um point. O que ainda acontece nos dias atuais, mas com menor glamour.. Nomes importantes das mais destacadas camadas sociais da cidades por ali passaram, principalmente aos domingos, após a missa das sete. À época, a cidade tinha população menor e os bairros e subúrbios, que começavam a surgir, ainda não apresentavam melhores meios de contato com o centro da cidade. Dai ser a Rua Halfeld, o melhor momento para os domingos.
Mulheres bonitas, trajando vestidos vistosos e coloridos, sapatos altos, perfumadas e bem maquiadas, eram as grandes atrações para homens jovens ou coroas, que ficavam em busca dos flertes, hoje paqueras.
A Rua Halfeld, serviu, inclusive, e não está muito distante, como grande atração  durante os Carnavais. Nos dias da Folia, os corsos com automóveis abertos, eram tônica dominante, à base de muito confete e serpentina. A Rua Halfeld, serviu e muito aos políticos. Por ali passaram, durante campanhas e visitas a Juiz de Fora, entre outros, João Goulart, Tancredo Neves, Itamar Franco, Leonel Brizola, Ulisses Guimarães e outros importantes nomes da política brasileira.
Muitos namoros e casamentos surgiram a partir da Rua Halfeld.
Muito político foi eleito a partir da Rua Halfeld.
Rua Halfeld, o coração de Juiz de Fora".
Ivan Costa - Advogado e Locutor Esportivo
Juiz de Fora-MG


Eu tenho saudade...
"Do bonde 75 (Lins de Vasconcelos),que me levava de Vila Isabel (rua Visconde de Santa Isabel) até o Colégio Pedro II (av.Marechal Floriano) . Eram estudantes fardados ,do meu colégio, no Centro, e, a maioria, do Instituto de Educação, na Mariz e Barros, bem próximo da Praça da Bandeira. Rolaram muitas paqueras que chegaram ao casamento. Era uma integração total. Todos se conheciam, "trocavam figurinhas", marcavam as mesmas festas...tínhamos os mesmos hábitos. Até mesmo a "cuba libre", uma mistura de rum com coca-cola, era a bebiDa preferida da galerinha. Bons tempos..."
José Carlos Araújo - Locutor Esportivo
Rio de Janeiro-RJ

Eu tenho saudade das...
"Pedaladas em minha bicicleta Caloi na região da Leopoldina, no Rio de Janeiro, em companhia de meu amigo Cid Badaró".
Joper Padrão do Espirito Santo – Contador, Economista e Rotariano
(Rio de Janeiro-RJ)


Eu tenho saudades...
"De ver o trem que passava todos os dias com aquela linda buzina e poder andar nele por aquele precinho bem baratinho.Sinto falta do Rio Pomba lindo sem poluição e sem tantos galhos agarrados e visíveis em seu leito.Eu sinto falta de tantas coisas como a TV que havia na praça central de Pádua (Praça Pereira Lima) com os bancos e todos sentados e em silencio para assistir o futebol ou o jornal ou a novela.Quantas saudades eu sinto e de tantas coisas lindas que não vemos mais hoje em dia."
Juarez José Neves - Radialista
Santo Antonio de Pádua-RJ


Eu tenho saudade...
"Das viagens e dos passeios ao sítio de meu avô, Amador Eloy de Paula (1915/2010) e da minha avó Gabriela ( /1995), no Bananal, município de Guaraciaba, na Zona da Mata Mineira. Eu, minha mãe, Josefina, minha irmã, Myriam Cristiane, meu irmão Michel Aurélio e nossos amigos (as), saíamos de Juiz de Fora e passávamos momentos maravilhosos no sítio do vô Amador e também da tradicional festa de Santana, em Guaraciaba, a  qual meus avós Amador e Gabriela aguardavam com ansiedade, porque era esse o momento para reunir a família, com a chegada dos filhos (as) e netos (as) que moravam em São Paulo".
Lidiane Morais Souza - Administradora de Empresas
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"Da minha infância lá na roça, acordar ouvindo o cantar dos passarinhos, e uma coisa que não me sai da memória, era quando em época de chuva, tinha um riacho e uma cachoeira que transbordavam, e aquele barulho das águas ao bater nas pedras, é inesquecível, ai que saudade! E a gente só pensava em levantar e sair correndo pra ver de pertinho aquela cachoeira maravilhosa, parecia que ela era a maior e mais importante cachoeira que existia, pra mim era...Uma coisa que sinto saudades também, é lembrar minha mãe, ao "pé" do radio ouvindo as novelas, e nós ao redor, era tudo tao simples, porém muito significativo. Saudades, que saudades!"
Lucineide Brito Camargo (Lu) - Formada em magistério
Cascais/Lisboa-Portugal



Eu tenho saudade...
"Do tempo em que vivi em Mariana. Andar de bicicleta pelas ruas de terra, jogar bola no campo do Marianense, ir ao cinema da praça, brincar no carnaval do Zé Pereira, passear na praças para ver as meninas e conversar fiado com a turma até tarde da noite sem nenhum medo da violência. Nadar no rio e participar das cerimonias da Semana Santa, quando a cidade ficava lotada. Saudade da turma que sumiu no mundo. Saudade do tempo que brincava de locutor no som estridente da barraquinha".
Luiz Carlos Gomes - Radialista e Jornalista 
Belo Horizonte-MG

Eu tenho saudade...
"Dos tempos em que acompanhava o futebol da cidade. Tempo em que a Liga de Futebol de Juiz de Fora promovia torneios sem os times de Belo Horizonte. A cidade tinha times fortes, como o Tupi, Tupinambás e o Sport. E da região clubes como o Social de Santos Dumont, Vila do Carmo e Olimpic de Barbacena, Minas de Rio Novo, Mario Bouchardet de Visconde do Rio Branco, Atlético de Viçosa, Ribeiro Junqueira de Leopoldina, Nacional de Muriaé, entre outros que me lembro neste momento. Foram anos, nas décadas de 1960 e 1970 onde os estádios viviam lotados, rivalidade a flor da pele e motivação constante. Para quebrar o gelo, amistosos com clubes do Rio, que muitas vezes passavam aperto por aqui. Atlético e Cruzeiro raramente aparecia por aqui, as vezes o América Mineiro. Com a entrada dos clubes de Juiz de Fora na Federação Mineira o futebol romântico daqui acabou, os clubes da região ficaram se competições e passamos a conviver com o eterno Atlético e Cruzeiro se revezando nas conquistas, um milagre ou outro, Caldense e América quebraram este ciclo maldito. Estádios Paiz Soares, Salles Oliveira e Procópio Teixeira  viviam lotados, com jogos disputadíssimo, com o clássico Tu x Tu sendo o mais forte. Maldita hora que fomos enfrentar este Campeonato Mineiro, com seus árbitros tendenciosos, viagens longas, rebaixamentos e subidas constantes. E o pior: clubes quebrados e desativados. Saudades de um tempo onde comida caseira fazia bem a saúde, com nossos clubes da região, repúdio a um novo tempo onde um modelo ultrapassado de competição, viagens longas e gastos liquidam com os clubes. Bons tempos onde tínhamos futebol e faltava estádio. Péssimo momento que o estádio de Juiz de Fora fica as moscas e também não temos times."
Luiz Storino - Jornalista
São José do Rio Preto-SP

Eu tenho saudade...
"De assistir jogos dos grandes e pequenos de Minas Gerais. Era  festa para todos, de lado a lado, com o maior respeito. Quando o professor dava castigo e todos respeitavam sem reclamar, pois do contrário viria outro castigo em casa, do tempo que as escolas ensinavam o Hino Nacional, Hino da Bandeira, Hino da Independência, das aulas de Educação Moral e Cívica. Dos tempos de brincar na rua, jogando bola, tampinhas e o famoso carrinho de rolimã e quantas quedas, kkkk, coisa boa demais, ir no poço nadar e chegar em casa com os olhos vermelhos e negar que estava nadando. Tempo que  vizinho era  o parente mais próximo, tempo que ajudar era sempre um prazer, tempo que menor idade podia trabalhar e ajudar os pais e aprender oficio. Tempo que não existia estatuto da criança e do adolescente (com todo respeito, fabrica de marginal), tempo que televisão e rádio eram sinônimo de cultura e não, baixaria e por ai vai.
Magela Ribeiro- Radilaista/Jornalista
Sete Lagoas-MG


Eu tenho saudade...
"Do bonde que me levava nos anos 60 até a antiga FAFILE, onde eu cursava LETRAS (FACULDADE DE FILOSOFIA E LETRAS) na Av. Rio Branco (hoje Casa de Cultura /UFJF).
Saudades da Galeria de Arte Celina, 
Saudades do bar Teorema que  todo mundo frequentava...(o saudoso Décio Lopes, entre outros...)
Saudades de ter saudades...do nosso grupo que escrevia no Diário Mercantil: Zé Paulo Netto, Gilvan Procópio Ribeiro,  Cida, eu..."
Maria Nazaré de Carvalho Laroca - Escritora, Professora e Esperantista
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"Dos bailes de Carnaval do Muriaé Tênis Club, principalmente do último dia quando a banda saía do clube pela manhã e nós, os carnavalescos, íamos atrás dela até a Praça João Pinheiro, cantando aquelas marchinhas gostosas que não se fazem mais!    

Eu sinto muita saudade da viagem de trem que eu fazia com meu pai, Wilson Alvim do Amaral, todas as quartas-feiras, de Muriaé para Palma, onde ele tinha audiência. Até hoje posso visualizar sua postura elegante em um guarda-pó de linho branco e consigo sentir o cheiro da fumaça do trem!
Maria Vitória do Amaral Braz (Toya Braz)
Muriaé-MG

Eu tenho saudade...
"Dos jogos do futebol profissional do Sport Club Juiz de Fora no Estádio Procópio Teixeira, enriquecendo a torcida com duelos fantásticos contra os arqui-rivais Tupi e Tupynambás, como também contra os "grandes" da Capital: Atlético, Cruzeiro, América... Ainda me lembro bem do Gigante da Avenida na primeira divisão do Campeonato Estadual!"
Marlon Moraes - Engenheiro e Escritor 
(Juiz de Fora-MG)

Eu tenho saudade...
"Do bondinho que me levava para a escolinha do jardim de infância. Tenho saudades da época que passeava no Museu Mariano Procópio  e saíamos de canoa pelo lago. E muitas saudades da época que aos domingos saia com minhas irmãs para passear na rua Halfeld. As moças caminhavam no meio da rua e os rapazes ficavam observando na calçada. Era bem pitoresco."
Nequitz Miguel - Artista Plástica
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"Da velha 'maria fumaça', aquele trem de ferro que soltava fumaça e à noite enfeitava o céu com fagulhas, coisa muito linda. O apito da velha "12" também me dá uma grande saudade. Eu morava em Uruçuca, na Bahia e viajava para Itabuna naquele trem, que "morrendo" nas ladeiras, mas subindo cansado, ele chegava lá. Muito lindo!".
Odoaldo Vasconcelos Passos - Economista
(Belém-PA)

Eu tenho saudade...
"De em Pirapora, minha terra natal, dos meios de transportes: o trem de Pirapora para Corinto, Montes Claros e Belo Horizonte bem como os vapores de Pirapora até Juazeiro, na Bahia e Petrolina, em Pernambuco".
Paulo Roberto Caldeira Brant - Comentarista Esportivo
Poços de Caldas-MG

Eu tenho saudade...
"Das Olimpíadas Universitárias, na década de 1970. Toda Faculdade tinha um bom time, sendo que as melhores disputas ficavam entre Engenharia e Medicina. Os jogos eram disputados no Sport Club, e lotavam o ginásio todo. Tinha charanga, bandeiras, alegria latente e muita organização. E nossos times da Engenharia eram imbatíveis. As meninas vestiam roupas bonitas e a paquera imperava, dando um toque mágico àquelas competições, que sempre aconteciam no mês de setembro." 
Renato Teixeira Dantas - Engenheiro Civil, Professor e Escritor
Juiz de Fora-MG

Eu tenho Saudade....
“Do Aeroclube com pista de grama próximo ao Bairro Jóquei Clube, do Cine Paraíso, do Cine teatro São Mateus, da Capela Galeria de Arte, da antena da TV Industrial no Morro do Cristo, da Avenida Rio Branco com bondes e poucos carros, dos desfiles das Escolas de Samba nos anos 1970, do 01º Festival de Rock de Juiz de Fora”. 
Ricardo Cristófaro - Artista plástico e professor
João Pessoa-PB

Eu tenho saudade...
"Da época em que soltavámos papagaios com as laçadas no campo da Academia, das "peladas" de futebol da turma do morro (avenida Olegario Maciel) na Academia de Comércio, da fazenda do Dilermando, hoje bairro Santa Helena, das caminhadas nas matas desvendando a natureza e encontrando "minas d'agua'", dos carrinhos de rolimãs na descida da Marechal, dos jogos de bola de gude e de tampinhas nos passeios. Por fim, dos bailes de carnaval no Esporte Clube Mineira, quando meu pai era Diretor, dos gritos de carnaval na Rádio Industrial e na PRB3."
Ronaldo Angelo - Administrador de Empresas e Eletrotécnico
(João Pessoa-PB)


Eu tenho saudade... 
"Do tempo em que as crianças, como eu, um dia, fui, podiam brincar nas ruas, sem medos, criar brincadeiras, eram mais livres. Dos Namoros inocentes, que começavam com as conversas, depois, um dia, se criava coragem, pegava na mão, da magia que envolvia a história do primeiro beijo. De dançar música lenta, bem juntinho, esquecendo o resto do mundo e vivendo só aquele momento... De um tempo em que as pessoas eram mais próximas, se encontravam mais, se falavam mais, escreviam mais, liam mais, eram menos tecnológicas e, por conseguinte, menos  virtuais. É uma saudade da liberdade humana, da criatividade, de pessoas que se tocavam mais, que não tinham essa distância que o mundo moderno trouxe como consequência.
Rosani Martins - Funcionária Pública/Jornalista/Professora/Poetisa.
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"Do tempo em que eu morava num lugar longe do mundo, numa fazendinha pequena onde eu via meu pai feliz da vida, plantando, cuidando e colhendo. Ouvia também a risada gostosa do meu avô, meus irmãos todos em casa, e a noite era uma festança só, muita sanfona, violão, pandeiro e até colher batendo uma na outra virava instrumento...
Era um tempo em que éramos felizes e não sabíamos!"
Rose de Oliveira - Auxiliar Administrativo
São Pedro dos Ferros-MG

Eu tenho saudade.....
"Dos trens de passageiros, o "expresso", ou "noturno" e o de passageiros e cargas, o "misto", que cruzavam toda extensão da fazenda Celidônia, local em que eu nasci, no distrito de Itapiruçu. na zona rural de Palma-MG. Eu, meu pai Nestor (18__ -1970), minha mãe Olívia (1910-198_), minhas irmãs Luzia (__-__), Maria (1940-1982), e irmãos Almerindo (__-__), José (__-1982), Valdemar (1938-1999) e Geraldo, esse, o mais novo, levantávamos cedo, numa época em que relógio era algo raro, orientados pela passagem do trem. Era um transporte interestadual, ligando as cidades de Recreio, na Zona da Mata Mineira, com, hoje, Campos dos Goytacazes, na época, somente Campos, no Norte Fluminense."
Sebastião Fernandes - aposentado
Santo Antonio de Pádua-RJ

Tenho saudades...
"De na minha terra natal, Assai, no Paraná, dos passeios com os amigos de bicicletas pelas estradas empoeiradas, dos jogos de ping-pong, da época da colheita de algodão quando a cidade ficava branquinha e quando ouvia os festivais da Record. Mais tarde, passei várias férias em Oliveira-MG, onde lembro e tenho saudades dos passeios num Ford-1928; dos carnavais de rua com suas congadas e no clube. Das voltas na praça, onde os homens andavam numa direção, e as belas garotas ao contrário.
Sergio Caldieri - Jornalista/Advogado/Escritor 
Niterói-RJ

Eu tenho saudades...
"Do prédio do antigo Colégio Magister, que ficava na Rua Braz Bernardino e foi demolido em 2005 para a construção de edifício. Projetado pelo arquiteto Arthur Arcuri, foi neste extinto exemplar da arquitetura modernista da cidade que vivi três felizes anos de minha vida escolar. Saudade também da enorme árvore que ficava na entrada da escola, enchendo a Braz de sombra e também de folhas quando chegava o outono. Toda vez que passava por essa rua após a demolição, sentia-me entristecido, o que me levou à decisão de evitar a Braz Bernardino sempre que possível. 
Thiago Stephan - Jornalista
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudades...
"Dos bondes que percorriam os bairros do Rio de Janeiro. Era um transporte arejado, sem portas, mas seguro. Os que iam para o Alto da Boa Vista, proporcionavam um passeio por entre a floresta da Tijuca,  de lindos jardins e praças. No carnaval havia um verdadeiro baile dentro dos bondes, e todos se divertiam muito. 
Tenho muitas recordações de minha infância, dos passeios e carnavais no bonde. Eram tempos sem assaltos, sem violência, e que nem se falava em narcotráfico. Bons e saudosos tempos".
Vera Lúcia Cardoso de Sousa - Pedagoga
Rio de Janeiro-RJ

Eu tenho  saudade...
"Da época que ouvia  futebol  no nosso velho, e chiador,  rádio Zenith , nas noites frias de Mantiqueira. Foi  assim,  através da narração vibrante de Valdir Amaral, Jorge  Curi,  Fiori Gigliotti  e outros grandes  locutores esportivos da época, que  passavam para o meu imaginário de menino as  mais belas jogadas,  que surgiu a minha grande paixão pelo futebol". 
Victor Kingma - Escritor
Santos Dumont-MG


Eu tenho saudade... 
"Do antigo Mineirão, com sua belíssima silhueta de concreto à vista desde as avenidas Carlos Luz e Abrahão Caram. Por dentro, as arquibancadas e gerais, sem divisórias e cadeiras, ofereciam muito mais calor humano. Em minhas reminiscências de criança, o que sempre vem à mente com intensidade é o cheiro marcante de cerveja, que era servida em garrafas de vidro e sorvidas com avidez por torcedores "desorganizados" que iam ao estádio somente para torcer. Qualquer decisão mequetrefe enchia o Gigante da Pampulha com 100 mil almas e nenhuma gota de sangue era derramada. Lembro-me com nostalgia do meu querido Villa Nova disputando seu primeiro Brasileirão da Série A e o ídolo Pirulito desfilando sua classe em jornadas memoráveis. A definição do mineiro Ataulfo Alves é perfeita quando leio nos jornais que a Minas Arena vai fazer isso ou aquilo: Eu era feliz e não sabia..."
Wagner Augusto- Jornalista/Escritor/Historiador
Betim-MG

Tenho saudades...
"Da minha infância, pobre mas feliz...  Dos quintais da casa de minha avó, onde morávamos em uma pequena casa, no fundo do quintal... Lá havia uma frondosa Mangueira que, durante quase todo o ano nos dava aquele fruto maravilhoso que até hoje amo de paixão... das brincadeiras de roda, do soltar pipas... Há! como eu tenho saudades!..."
Zélia Maria Fernandes da Silva 
Juiz de Fora-MG

Eu tenho saudade...
"Do Rádio de Juiz de Fora, que tanto sucesso fez como Industrial, Difusora e PRB 3 e mais recentemente a Panorama FM e seus profissionais de primeira linha. Saudades de Claudio José Temponi, Aparício De Vitta, Adair Ramos Teixeira Mendes (1949-1992), Claudinei Coelho (Claudinei de Oliveira Pena-1948-2010), José Carlos de Lery Guimarães, Mário Helênio de Lery Santos ( - ), Wilson Amin de Paula, Wilson Lemos de Almeida (1932/1998), Marcos Silva Portes (1959-2012), Márcio Augusto de Oliveira (1945/2012), Toni Martins (Antonio Martins Caetano-), Dirceu de Carvalho Buzzinari (1937/2006), Randal de Oliveira (), Otho Alves Ribeiro e Roberto Barreto. Não posso me esquecer das saudades do jovem jornalista Antonio Marcos de Nazareth Campos (2005). E de grandes nomes que atuaram no rádio do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Vitória, de nomes inesquecíveis: Waldir Amaral (1926/1997), Jorge Curi (1920/1985), João Saldanha (João Alves Jobin Saldanha-1917/1990), Mário Vianna (Mário Gonçalves Vianna-1902/1989),  Affonso Soares (Affonso Gonçalves Soares-1923/2007), Antonio Porto (???), Doalcei Camargo (Doalcei Benedito Bueno de Camargo-1930/2009), Haroldo de Andrade (Haroldo de Andrade Silva-1934-2008), Waldir Vieira (Waldir Gomes Vieira-1944/1985), Gilberto Lima (???/1983), Paulo Moreno (???), Edmo Zarife (1940/1999), Mário Luiz (Mário Luiz Barbato- ), Francisco Carioca (-???/2009), Vitorino Vieira (???), Antonio Luiz Vendramini (???), João Vitta (???), Luiz Mendes (Luiz Pineda Mendes-1924/2011), Ruy Porto (???), Orlando Batista (Orlando Batista Chagas-1927/2012), Danilo Baia ( ),Tércio de Lima (Tércio de Lima Riscado-1936-2009), Raul Brunini (Raul Brunini Filho-1919/2009), Fiori Gigliotti (19282006), Loureiro Júnior (1935/2012), Carlos Aymard (Aymard Del Carlo-1934/1989), Osvaldo Faria (Osvaldo Evangelista-1930/2000), Alair Rodrigues (Alair Ferreira Rodrigues-1937-2012), Jairo Anatólio Lima (???), Vilibaldo Alves (???), Horácio Carlos (???/1994), Rubens Neves (???) e tantos outros que marcaram época no rádio brasileiro" 

Washington Joaquim Gervásio - Aposentado

Juiz de Fora-MG