terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Literatura

"Eu e as emissoras de Rádio"
É uma obra produzida, através da experiência do autor, Hairton Dias, que durante 38 anos trabalhou nas principais emissoras de rádio de Ituiutaba. O autor descreve fatos e personagens que ao longo dos anos mostraram a importância dessas emissoras e dos profissionais que passaram por elas, em épocas diferentes, cada um a seu modo.

O livro contém as pérolas do rádio, os micos que marcaram humoristicamente os profissionais que entram diuturnamente, através do rádio, nos lares daqueles que não vivem sem rádio. O leitor irá saber como agem e como se relacionam esses ouvintes, com os profissionais de rádio, vai conhecer fatos que ocorreram e que se não fosse às emissoras de rádio e os profissionais de rádio, teriam ficado no anonimato e mais tarde certamente trariam inúmeros prejuízos para o desenvolvimento do município.

O autor relata, com riqueza de detalhes, qual foi o primeiro radialista que se elegeu a um cargo público em Ituiutaba, quando tantos outros tentaram, e qual a importância desse fato para a população.

Carnaval 2016

As Escolas de Samba vencedoras do Carnaval Carioca.
01º Portela – 21 títulos
Fundada em 1923, a Portela é a escola que mais venceu no carnaval carioca, faturando o título 21 vezes, sendo o primeiro em 1935 e o último em 1984.
02º Mangueira – 17 títulos
Fundada em 1928, a Estação Primeira de Mangueira é uma das mais tradicionais escolas de samba e foi a primeira vencedora, em 1932. O último título da verde e rosa foi em 2002.
03º Beija Flor – 13 títulos
A escola de Nilópolis, fundada em 1948, venceu em 13 ocasiões, sendo seu primeiro título em 1976 . É a atual campeã do Carnaval carioca.
04º Acadêmicos do Salgueiro – 09 títulos
Com 09 campeonatos, a Acadêmicos do Salgueiro é uma das mais populares do Rio de Janeiro. A agremiação da Zona Norte, fundada em 1953, venceu pela primeira vez em 1960 e seu último título foi em 2009.
05º Império Serrano – 09 títulos
A escola de Madureira foi fundada em 1947 e é uma das mais tradicionais do carnaval, conquistando 9 campeonatos. Seu primeiro título ocorreu em 1948, um ano após sua fundação, e não ganha um título desde 1982. Atualmente, disputa o grupo de acesso (segunda divisão do carnaval).
06º Imperatriz Leopoldinense – 08 títulos
A Imperatriz Leopoldinense foi fundada em 1959 e possui 8 títulos em sua história. A agremiação de Ramos ganhou pela primeira vez em 1980 e seu último campeonato foi em 2001.
07º Mocidade Independente – 05 títulos
A Mocidade Independente de Padre Miguel aparece na sétima posição com 05 títulos. Seu primeiro campeonato foi ganho em 1979 e ganhou seu último título em 1996, com o enredo “Criador e Criatura”. A escola foi fundada em 1955.
08º Unidos da Tijuca – 04 títulos
Com 04 campeonatos, a Unidos da Tijuca figura entre as mais tradicionais do carnaval. Fundada em 1931, obteve seu primeiro título em 1936, mas foi nos últimos anos que a Escola se consagrou, vencendo os campeonatos de 2010, 2012 e 2014, sob o comando do carnavalesco Paulo Barros.
09º Vila Isabel – 03 títulos
Fundada em 1946, a Unidos de Vila Isabel faturou 03 títulos. O primeiro foi em 1988, com o enredo “Kizomba, a festa da raça” e os outros foram em 2006 e 2013.
10º Unidos da Capela –0 2 títulos
A extinta escola de samba Unidos da Capela, conquistou os títulos de 1950 e 1960. Fundada em 1933, a agremiação estava sediada em Parada de Lucas. O curioso de seus títulos, é que em ambos, teve que dividir com outras escolas.
Com um título
Viradouro (1997), Estácio (1992), Prazer da Serrinha )1950), Vizinha Faladeira (1937) e Recreio de Ramos (1934).

Literatura

“Fazenda dos Três Poços, do Café à Universidade”
A obra mostra fatos, por meio de textos de Heloísa Helena Monteiro de Barros, João Hermes Pereira de Araújo, Flavia Lages de Castro e Roberto Guião de Souza Lima.
Em 206 páginas, o livro relata as diversas fases do local, desde 1780 até os dias atuais.
Segundo a editora responsável e uma das autoras do livro, a historiadora e professora Flávia Lages de Castro, o livro foi preparado para que a história da Fazenda dos Três Poços pudesse ficar registrada.
No livro, a história da fazenda está dividida em quatro capítulos que vão desde a sua criação (um documento do vice-rei Luiz de Vasconcellos e Souza) até os dias atuais.
- No primeiro, o historiador Roberto Guião faz relatos sobre o ciclo do café no Vale Paraibano, permitindo ao leitor conhecer, em detalhes, como era a vida na época.
- No segundo capítulo, Heloísa Helena Monteiro de Barros e o embaixador João Hermes Pereira de Araújo trazem os fatos ocorridos entre 1780 e 1918, quando a fazenda passa para as mãos dos padres trapistas. 
- O terceiro, narrado por Guião, apresenta os fatos acontecidos de 1918 a 1968, quando a fazenda foi desapropriada pela prefeitura, para que fosse construído no local um pólo industrial e de ensino e onde hoje está situado o campus Três Poços do UniFOA (Centro Universitário de Volta Redonda). 
- O quarto e último capítulo, escrito pela historiadora Flavia Lages de Castro, conta a história da FOA (Fundação Oswaldo Aranha) e do UniFOA.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

CARNAVAL 2016

                    BLOCO DO BAIRRO FLORESTA
ENREDO: O TATU SUBIU NO PAU É MENTIRA DO CURAU, OS CONTADORES DE CAUSOS DO BAIRRO FLORESTA.
AUTORES DO ENREDO: MARCIO SANTANA E GRACINHA SANTANA
COMPOSITORES: EDYNEL , MARCIO SANTANA E DANILO
INTERPRETES: JAZINHO E MARCIO SANTANA
INTERPRETE DE GRAVAÇÃO: DANILO
PRESIDENTE: MARCIO SANTANA
MESTRE DE BATERIA:ZEZINHO SANTANA
COORDENADORES DO BLOCO: MÁRCIA SANTANA, MARLENE SANTANA, JORGINHO,MARCOS SANTANA, SONIA SANTANA,DERALDO,DORA,MENSO,DRI,GLÁUCIO,SÃO,GLÁUCIA SANTANA,PELEZINHO,SUELY ROSA, GODA,
MUSA DO BLOCO TAINÁ
PATRONO: ANDRÉ MATTOS
SAMBA
FLORESTA VÊ A LUZ DO IMAGINÁRIO
CONTANDO HISTÓRIAS QUE EU GOSTAVA DE ESCUTAR
ENCANTA PELA SUA PRIMAZIA
SE É VERDADE OU MENTIRA
SÃO VOCÊS QUE VÃO JULGAR
GETÚLIO, JOÃO GROSSO, TALIATI
VEM COMPOR NOSSA ALEGRIA
CONTADORES DE CAUSOS
COM MUITO ORGULHO, RELEMBREMOS NESSE DIA.
TEM CERTAS COISAS QUE SÓ ACONTECEM AQUI
SEU TIBÉRIO TIRAVA O PIJAMA
SÓ NA HORA DE DORMIR (BIS)
ZARIA FOI SEQÜESTRADO
SEU TALIATI PEGOU PEIXE CONGELADO
ZÉ CUTINGA ENCANTAVA ASSOMBRAÇÕES
NO TOZA HAVIA LOBISOMEM
PROVOCANDO CONTRADIÇÕES
HOJE MINHA MENTE SE FAZ CRIANÇA
ENTRA NA DANÇA.
VEM PRA “ UNIDOS DO BAIRRO FLORESTA” SAMBAR
TIÃO REZENDE É REMANESCENTE
DESSES NOBRES MENTIROSOS
AVIVANDO NOSSA MENTE.
REFRÃO:
O TATU SUBIU NO PAU (QUE LEGAL)
É MENTIRA DO CURAU
ESSA AÍ, EU JÁ SABIA, ERA TUDO QUE EU QUERIA
ESCUTAR NO CARNAVAL.

Literatura

"Piauiês"

O livro reúne palavras e expressões tipicamente piauienses, com farta exemplificação do emprego de cada verbete, a partir da literatura, da publicidade e do jornalismo piauienses, além de exemplos recolhidos dos principais personagens da cena cultural e artística do estado. Foi escrito em linguagem bem humorada e depois de intensa pesquisa que alcançou os principais dicionários e grandes paremiologistas como Fontes Ibiapina e Leonardo Mota, entre outros, na tentativa de referenciar cada um dos termos

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Fórmula 1

Temporada 2016 tem recorde de filhos de ex-pilotos no grid

A temporada de 2016 da Fórmula 1 terá o maior número de filhos de ex-pilotos na história: Nico Rosberg, Max Verstappen, Kevin Magnussen e Jolyon Palmer, cujos pais, curiosamente, nunca correram todos juntos, dividirão o grid, que conta ainda com Carlos Sainz Jr., filho de uma das maiores lendas do rali, Carlos Sainz. O espanhol, contudo, nunca correu na F1.
Pais de Nico e Jolyon, Keke e Jonathan foram contemporâneos. Keke, campeão de 1982, esteve na categoria entre 1978 e 1986, enquanto o britânico teve uma carreira mais discreta, correndo entre 1983 e 1989 pela Tyrrell. Palmer nunca chegou ao pódio, apesar de ter marcado 14 pontos na carreira em uma época em que apenas os seis primeiros pontuavam.
No entanto, o britânico garante que o filho, que fará sua estreia em 2016, "é bem melhor": "Ele é muito menos intenso, mais relaxado e ultrapassa melhor. As coisas são mais naturais para ele do que eram para mim. Eu era obviamente muito bom, mas acho que cheguei lá mais pela tenacidade e por ser esperto com acertos mas, na habilidade pura, Jolyon está bem acima de mim", disse o pai orgulhoso.
Já Jos Verstappen e Jan Magnussen se encontraram nas pistas nos anos 1990. Ambos eram considerados rápidos e foram promessas que acabaram não vingando. O holandês teve três passagens, de 94 a 98, de 2000 a 2001 e em 2003, conquistando dois pódios como melhores resultados. Já o dinamarquês só fez um ponto em suas 24 largadas, entre 95 e 98.
Rosberg e Verstappen já correram juntos ano passado, e agora ganham a companhia de Palmer e Magnussen, confirmados como a dupla de pilotos da Renault para 2016.
Até hoje, o maior número de filhos de pais famosos correndo ao mesmo tempo no grid acontecera entre 2008 e 2009, quando Rosberg, Kazuki Nakajima e Nelsinho Piquet estavam no grid.
Mas ser filho de ex-piloto não é sinônimo de sucesso na Fórmula 1. São 14 as duplas de pais e filhos que disputaram GPs na história. Porém, apenas os Rosberg, Graham e Damon Hill, e Gilles e Jacques Villeneuve conseguiram vencer provas.
Em termos de títulos, só Hill conseguiu emular o pai, bicampeão nos anos 1960, com o título conquistado em 1996. E Villeneuve, por sua vez, ganhou em 1997 o campeonato que o pai, um dos grandes ídolos da história da Ferrari, nunca conseguiu.
Fonte: www.uol.com.br

Literatura

"1001 dicas de português: manual descomplicado"
O livro, escrito pela escritora e jornalista Dad Squarisi e pelo jornalista e poeta Paulo Jose Cunha é um tira-dúvidas prático e acessível para todos que querem respostas rápidas para aqueles “brancos” ou aquelas “pegadinhas” que a língua nos prega. (E sem a enrolação e a seriedade daqueles grandes e complexos compêndios gramaticais cheios de termos difíceis.)

Qual a diferença entre “ao invés de” e “em vez de”? E tem diferença entre “aonde” e “onde”, com esse sutil acréscimo de uma vogalzinha? “Água-de-colônia” se escreve com hífen mesmo? Aliás, por que “água-de-colônia” tem esse nome?

Para essas e muitas outras questões, o leitor encontrará aqui respostas claras, diretas e divertidas, facilmente encontradas em verbetes organizados em ordem alfabética. E de bônus ganha ainda uma porção de curiosidades sobre a riqueza da nossa língua.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Cronica esportiva

Associação dos Cronistas do Interior (ACEISP)

Foi fundada em Campinas, a Associação dos Cronistas Esportivos do Interior de São Paulo (ACEISP), que a partir de agora vai representar os cronistas esportivos do interior do estado de São Paulo.
O primeiro presidente eleito é Sérgio Carvalho, que além da larga experiência jornalística, já presidiu a ACEESP – Associação dos Cronistas Esportivos de São Paulo – e a ABRACE – Associação Brasileira dos Cronistas Esportivos. 
A ACEISP está capacitada a emitir credenciais para todos os cronistas do Interior do Estado, pertencentes a jornais, rádios, emissoras de televisão e empresas de internet, dede que devidamente regularizada.
O prazo estipulado pela Federação Paulista de Futebol (FPF) para a entrada em seus eventos esportivos, com a credencial, é dia 15 de fevereiro. Dentro do espírito legalista da FPF é importante que o credenciamento seja obrigatório e no cumprimento da lei.
CREDENCIAMENTO
Com a criação da ACEISP o cronista esportivo do interior terá mais respaldo para exercer o seu trabalho. A oficialização da documentação da entidade permite a partir de agora a emissão do credenciamento daquele que trabalha com o jornalismo esportivo, sendo ele em rádio, jornal, televisão ou internet.
Fonte: FI

Literatura

"Como escrever na internet"
A jornalista Dad Squarisi apresenta em seu novo livro com regras de ouro para redação online. Como escrever na Internet, da Editora Contexto, aborda o "internetês" como   uma das “várias línguas portuguesas” e destaca que mensagens curtas ganharam mais destaque.
Abreviações, emoticons e outras coisas comuns no meio virtual não são proibidas, mas dependem do público para o qual estão direcionadas. 
Na obra, Dad comenta as várias línguas faladas e escritas. Com 128 páginas, o livro abre espaço para 300 dicas de português em até 140 caracteres, que abordam crase, concordâncias, regências e etimologias.
No território da internet, textos longos e formais demais não têm muita vez. O negócio é ser claro e direto. Emoticons são permitidos? E abreviações criadas pelo internetês? Tudo depende para quem você está escrevendo. Isso significa que estamos abandonando o bom português? De jeito nenhum! 

Com muito humor, Dad Squarisi mostra neste livro que, na verdade, falamos e escrevemos “várias línguas portuguesas”, sendo o internetês só uma delas. E sempre dá para escrever melhor.

domingo, 31 de janeiro de 2016

2015

Algumas perdas que pouco (ou não) repercutiram na mídia.

Carlos Alberto Mangabinha Ribeiro, cantor, acordeonista, compositor e fundador do Trio Parada Dura, morreu, aos 73 anos, em Belo Horizonte, em 23 de abril. Mangabinha nasceu em 16 de março de 1942, na cidade de Corinto, região central de Minas.

Ronaldo Mineiro (Ronaldo Duque Ozório), Radialista, sambista, filho de um ex-jogador do Tupi, morreu em Juiz de Fora, em 02 de agosto.

Floriano Antonio Quaresma da Silva, médico e advogado, morreu em 13 de outubro, aos 64 anos. Deixou esposa e duas filhas.

Wagner Silveira Caiafa, médico, morreu em 03 de dezembro, deixou Maria Clara Caiafa e os filhos Alan, Thiago e Jordana


Carlos Netto - Nenhuma referência (teria falecido em dezembro).  Carlos Fedoceo Netto foi radialista, repórter policial, com atuações destacadas nas extintas rádio Capital e tv Tiradendes.

Literatura

 “O Meu Lugar”
Organizado pelo colunista Luiz Antônio Simas e pelo jornalista e escritor Marcelo Moutinho e inspirado no famoso samba de Arlindo Cruz e Mauro Diniz, o livro traz 34 crônicas de gente que vive cada detalhe desta terra, cada qual no seu quadrado, contando um pouco do território que mais marcou a sua vida.
Com orelha escrita por Paulo César Pinheiro, e editado pela Mórula Editorial, a obra reúne pérolas de algumas das melhores canetas da cidade.
Do Méier de Moacyr Luz à Vila Isabel de seu inseparável parceiro Aldir Blanc. O Irajá de Nei Lopes e a Tijuca de José Trajano. Tem o colunista Fernando Molica contando sua infância em Piedade; o rubronegro João Pimentel declarando seu amor por Laranjeiras, e Luís Pimentel com a sua idílica Copacabana. 
Estão também na obra:
Mariel Reis, Zeh Gustavo, Raphael Vidal, Maurício Barros de Castro, Eduardo Goldenberg, Rodrigo Ferrari, Alberto Mussa, Juliana Krapp, Nei Lopes, Paulo Roberto Pires, Felipe Bezerra, Bruna Beber, João Felipe Brito, Fábio Fabato, Bárbara Pereira, Henrique Rodrigues, Lúcia Bettencourt, Manuela Oiticica, Luiz Pimentel, Paulo Thiago de Mello, Hugo Sukman, Alexandra Lucas Coelho, Mariana Filgueiras, Alexei Bueno, Alvaro Costa e Silva, Ana Paula Lisboa, Cecilia Giannetti.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Campeonato Paulista 2016

O 115º Campeonato Paulista da história terá início neste sábado, 30/01, com a disputa de seis partidas. Serão 15 rodadas na primeira fase, até as quartas de final.
Premiação
O valor total passou de R$ 6,4 milhões para R$ 9,8 milhões, com acréscimo de 53,1%. O campeão estadual embolsará R$ 4 milhões, contra R$ 1,5 milhão do vice e R$ 1 milhão do terceiro colocado.
Os times pequenos tentarão repetir a façanha de Inter de Limeira (1986), Bragantino (1990), São Caetano (2004) e Ituano (2014), que conseguiram erguer a taça mesmo com os gigantes na disputa. Alguns desses times contarão com reforços bem conhecidos do torcedor.
Corinthians
O Corinthians perdeu cinco jogadores da equipe campeã brasileira: Gil, Ralf, Jadson, Renato Augusto e Vagner Love foram negociados pela diretoria. O clube, em contrapartida, contratou o volante Williams, o meia-atacante Guilherme, o zagueiro Vílson, o lateral esquerdo Moisés, o meia Marlone e o atacante Alan Mineiro. Caberá ao técnico Tite reinventar o time corintiano para chegar ao principal objetivo na temporada: o bi da Libertadores. O Corinthians fará quatro partidas no Paulistão até a estreia na competição continental.
Palmeiras
No ano passado, a equipe palmeirense voltou a disputar uma final do Paulistão depois de seis edições do campeonato. Na decisão, o Palmeiras, totalmente reformulado, acabou derrotado pelo Santos nos pênaltis. A busca pelo título também ganhou importância após as declarações do presidente Paulo Nobre. Após o título da Copa do Brasil, o mandatário alviverde disse que todas as competições de 2016 teriam a mesma importância. O clube ainda pode ver o Santos e o São Paulo chegarem ao mesmo número de títulos estaduais dele (22).
Santos
Com seis títulos nas últimas dez edições, o clube soma 21 conquistas estaduais. A arrancada santista possibilitou ao time empatar em número de taças com o São Paulo e ficar a apenas uma do Palmeiras. Se voltar a dar a volta olímpica, o Santos ficará na segunda posição no Estado, só atrás do Corinthians (27), isso ocorreria pela primeira vez na história. Nem na década de 1960 isso aconteceu. Em 1969, o Palmeiras somava 15 títulos, mesmo número do Corinthians. O Santos, por sua vez, tinha 12.
São Paulo
Se o Santos conseguiu conquistar seis títulos nos últimos anos, o São Paulo faz o caminho contrário. O time não consegue ser campeão estadual desde 2005, no terceiro maior jejum da sua história na competição -- o maior deles ocorreu entre 1957 e 1970, enquanto o segundo se deu entre 1931 e 1943. Além disso, a conquista do Paulistão e a premiação de R$ 4 milhões ajudará o clube a amenizar a crise financeira, que se agravou nos últimos dois anos.
Zebras
O objetivo de 16 clubes é repetir a feito do Ituano, que em 2014 derrotou o Santos na final, mesmo com as duas partidas no Pacaembu. No ano passado, os grandes não deram chances aos adversários ao chegarem na semifinal. Botafogo-SP, Ponte Preta, Red Bull e XV de Piracicaba chegaram às quartas de final. O time de Ribeirão Preto chegará embalado à competição após a conquista do Brasileirão da Série D. Já a Ponte Preta vem de uma campanha regular na elite do Campeonato Brasileiro -- a equipe de Campinas terminou a competição com 51 pontos, na 11ª posição.
Veteranos
O Paulistão 2016 também será marcado pela presença de jogadores experientes nas equipes menores. A Ponte Preta, por exemplo, contará com o atacante Wellington Paulista. Já o São Bernardo tem o meia Cañete à disposição. Nunes, centroavante com passagens por Santo André e Guarani, defenderá o Botafogo-SP. Já Anderson Aquino, ex-Coritiba, atuará pelo Linense. O meia Moraes jogará o Paulistão pelo São bento, enquanto Richarlyson entrará em campo pelo Novorizontino. Amaral, aos 42 anos, vestirá a camisa do Capivariano. Completam a lista Heverton, pivô do rebaixamento da Portuguesa, que acertou com o XV de Piracicaba, e Patrik, ex-Palmeiras, que irá defender o Oeste.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Literatura

“O Samba de Juiz de Fora – Vinte Biografias”
Reunindo caricaturas e pequenas biografias de 20 compositores de samba da cidade, reconhecidos pela importância de suas obras na formação do repertório musical juiz-forano, a obra  é uma iniciativa do pesquisador Daniel Difilippo. Os textos são assinados pelo músico Márcio Gomes e as caricaturas pelo ilustrador Luiz Felipe Gonçalves.

Desde compositores pioneiros, da década de 1930, até nomes atuais do samba:
Alfredo Toschi, Armando Fernandes Aguiar (Mamão), Armando Toschi (Ministrinho), Danilo Soares, Djalma de Carvalho, Edynel Raimundo Vieira, Ernâni Ciuffo, Felisberto Alonso Perez, Flávio Aloísio Carneiro (Flavinho da Juventude), Geraldo Batista Teixeira (Camarão), Geraldo Santana, João Cardoso, José Almada Moreira (Zezé do Pandeiro), José Benedito da Silva (“Biné”), José Miranda Ribeiro (Juquita), Nilton Santos (Mestre Cocada), Paulo Messias, Paulo José Reis (Paulinho Jalão), Roberto Faria de Medeiros e Waldyr de Souza (Jaú).

Futebol

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Literatura

"Trinta Anos Esta Noite – O Que Vi e Vivi"
Escrito por Paulo Francis (1990-1997) publicado em 1994, quando o autor tinha 64 anos, o livro é um retrato do Golpe Militar de 1964, visto por Francis. Ele observa e analisa os fatos e personagens envolvidos no golpe, vistos e conhecidos pessoalmente pelo próprio escritor. Revela momentos da história do Brasil que precederam e sucederam o golpe, como também passagens da vida de Francis, como sua viagem para Paris em 1951, ou quando viajou com a Companhia de Teatro Estudantil, de Paschoal Carlos Magno (1906-1980).

Campeonato Mineiro 2016

A trajetória do Villa Nova no campeonato mineiro

por Wagner Augusto Álvares de Freitas*

          Cinco vezes campeão mineiro (em 1932, pela Ameg, 1933, 1934, 1935 e 1951) e seis vezes vice (1937, 1945, 1946, 1947, 1953 e 1997), o Villa Nova se prepara para disputar pela 91ª vez a competição. Na Era Profissional, iniciada em 1933, o Leão do Bonfim é o time com mais participações, ao lado de Atlético e Cruzeiro.
                                   Somente em 1995 o Villa ficou fora, por ter caído para a Segunda Divisão no ano anterior — enquanto Galo e Raposa não disputaram o Campeonato Mineiro em 2002, pois optaram pela Copa Sul-Minas. Já o América ficou fora em 2002 e em 2008, neste ano devido ao rebaixamento para a Segundona.
                                   O jogo contra o Tombense, na estreia do certame, no domingo (31/1/2016), será o de número 1.581 na longa trajetória do Villa Nova no Campeonato Mineiro da Primeira Divisão. Os números do Leão até hoje são estes:

Jogos: 1.580
Vitórias: 578
Empates: 424
Derrotas: 578
Gols Marcados: 2.287
Gols Sofridos: 2.139

                                    O debut do Villa no Campeonato Mineiro ocorreu há 98 anos. A competição se chamava oficialmente Campeonato da Cidade de Belo Horizonte. O Leão do Bonfim não tomou conhecimento do Yale, time da colônia italiana da Capital mineira, e o surrou impiedosamente:

21/4/1918 – domingo – 14h – Campeonato Mineiro
Villa Nova 10x1 Yale
Gols – Zé de Deus (7), Salinas (2), Morethzon (V) – Ricaldoni (Y)
Local – Estádio do Prado Mineiro (Belo Horizonte-MG)
Villa Nova – Ginolla, Goulart e Vilela; Souza, Zé de Deus e Cerqueira; Morethzon, Atílio, Nem, Salinas e Moraes
Técnico – Ground Committee
OBS. – Os aspirantes do Villa não compareceram para disputar a preliminar e além da perda de pontos o clube foi punido com uma multa.

                                   Contra o Tombense, foram realizadas apenas três partidas pelo Campeonato Mineiro, com duas vitórias leoninas e uma do adversário. A Ficha Técnica delas são estas:

23/3/2013 – sábado – 16h – Campeonato Mineiro
Tombense 0x1 Villa Nova
Gol – Tchô (17’ do 2º)
Público – 1.464
Renda – R$24.540,00 (US$12.000)
Local – Estádio Antônio Guimarães Almeida (Tombos-MG)
Árbitro – Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Assistente 1– Flamarion Sócrates da Silva (MG)
Assistente 2 – Breno Rodrigues (MG)
4º Árbitro – Denisson Eufrásio Rodrigues (MG)
Cartão Amarelo – André, Ramon, Serginho (T) – Heitor, Cléber Monteiro (V)
Tombense – Glaycon; Ari (Alex) (21’ do 2º), André, Ramon e Guilherme Lazaroni; Serginho, João Guilherme (Tiago Azulão) (26’ do 2º), Joílson e Éder Luís (Betinho) (21’ do 2º); Adeílson e Júnior Negão
Técnico – Marcelo Cabo
Villa Nova – Thiago Braga; Rodrigo Dias, Heitor, Marco Tiago e Hyago (Evaldo) (34’ do 2º); Cléber Monteiro, Max Carrasco, Marcelo Rosa (Renan Rodrigues) (35’ do 2º) e Tchô; Eraldo e Rafael Gomes (Sidnei) (42’ do 2º)
Técnico – Alexandre Barroso

RESERVAS DO VILLA NOVA
William, Rodrigo Siqueira, Evaldo, Renan Rodrigues, Felipe Canavan, Sidnei e Willian Araújo

RESERVAS DO TOMBENSE
Marcelo, Willian, Lucas, Mateus, Betinho, Tiago Azulão e Alex

16/2/2014 – domingo – 16h – Campeonato Mineiro
Villa Nova 1x3 Tombense
Gols – Kim (4’ do 1º) (V) – Júnior Negão (22’ do 2º), Toni (27’ do 2º), Toni (43’ do 2º) (T)
Público – 410
Renda – R$4.303,00 (US$1.800)
Local – Estádio Municipal Castor Cifuentes (Nova Lima-MG)
Árbitro – Wanderson Alves de Souza (MG)
Assistente 1– Wesley Moreira de Carvalho (MG)
Assistente 2 – Leandro Salvador da Silva (MG)
4º Árbitro – Wilson do Carmo (MG)
Cartão Amarelo – Welton Felipe, Sidimar, Mancini, Roger (V) – Maílson, Wanderson, Pablo, Joílson (T)
Villa Nova – Braz; Chiquinho, Welton Felipe, Sidimar e Fábio Fidélis; João Paulo, Mateus (Lucas Sotero) (27’ do 2º) e Mancini; Leo (Rafael Gomes) (29’ do 1º), Kim e Roger (Flávio Torres (30’ do 2º)
Técnico – Paulinho Kobayashi
Tombense – Flávio; Leo, André, Maílson e Wanderson; Júlio César (Jackson) (intervalo), Pablo, Joílson e Tiago Azulão (Denílson) (35’ do 2º) e Vanger (Toni) (14’ do 2º)
Técnico – Rogério Lourenço
OBS. – Após o jogo, ainda nos vestiários, o técnico Paulinho Kobayashi foi demitido.

RESERVAS DO VILLA NOVA
Thiago Braga, Andrezinho, Ferrugem, Lucas Sotero, Igor, Rodrigo Siqueira, Rafael Gomes e Flávio Torres

RESERVAS DO TOMBENSE
Darley, Felipe Dias, Bruno Peroni, Denílson, Oliveira, Jackson, Jonathan, Rafael Pernão e Toni

1º/2/2015 – domingo – 17h – Campeonato Mineiro
Tombense 0x1 Villa Nova
Gol – Gabriel Davis (pênalti) (21’ do 2º)
Público – 698
Renda – R$9.050,00 (US$3.300)
Local – Estádio Antônio Guimarães Almeida (Tombos-MG)
Árbitro – Flávio Henrique Coutinho Teixeira (MG)
Assistente 1 – Janette Mara Arcanjo (MG)
Assistente 2 – Luiz Antônio Barbosa (MG)
4º Árbitro – Hudson Fernandes da Silva (MG)
Cartão Amarelo – Betinho, Mazinho, Heitor (T) – João Paulo, Humberto (V)
Tombense – Darley; Gedeílson, Heitor, Alexandre e Mazinho; Coutinho (André Gava) (28' do 2º), Betinho, Joílson e Jonathan (Luiz Fernando) (28' do 2º); Daniel Amorim e Wagner (Jean) (17' do 2º)
Técnico – Júnior Lopes
Villa Nova – Thiago Braga; Edvan, Danilo Costa, Cleyton e Raphael Toledo; João Paulo, Marcelo Rosa (Lídio) (31' do 2º), Michel Elói e Gabriel Davis (Humberto) (36' do 2º); Rafael Gomes (Kaká) (43' do 2º) e Diego Clementino
Técnico – Welington Fajardo

SUPLENTES DO VILLA NOVA
Dionantan, Eusébio, Lídio, Ralph, Humberto, Paulinho e Kaká

SUPLENTES DO TOMBENSE
Victor, Gustavo, Wesley, Mateus, Alex Santos, Anderson, Lucas, Luiz Fernando, André Gava, Jean, Getúlio e Paulo.

*Wagner Augusto Álvares de Freitas é jornalista, escritor e historiador

Literatura

"Bacaba I e Bacaba II - Memórias de um Guerreiro de Selva da Guerrilha do Araguaia"
Escrito pelo segundo tenente da reserva do Exército Brasileiro, José Vargas Jimenez, cadastrado no Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), que vivenciou e participou da última fase da Guerrilha do Araguaia, no Sul do Pará, entre as Forças Armadas do Brasil e os guerrilheiros da Força Guerrilheira do Araguaia, que queriam impor à força o regime Comunista no Brasil, como fizeram em Cuba, China e na Rússia.


Os fatos relatados são ilustrados com documentos confidenciais e secretos do Centro de Informações do Exército, para provar a autenticidade da realidade vivida pelo tenente Vargas, à época sargento, que elucidam como se desenvolveu esta Guerrilha, desde seu planejamento pelo PCdoB, até o final, quando foram derrotados pelas Forças Armadas do Brasil. Contém também fotos dos guerrilheiros e militares que morreram nessa operação, como guerrilheiros capturados vivos pelo autor, que hoje constam como "desaparecidos" no Araguaia.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Ranking da violência no planeta

Das 50 cidades mais violentas, 21 (42%) são brasileiras
O Brasil é o país com o maior número de cidades entre as mais violentas do mundo em 2015, de acordo com um ranking internacional publicado nesta segunda-feira, 25/01, por uma ONG mexicana. Das 50 cidades com maior taxa de homicídios por 100 mil habitantes em 2015, 21 são brasileiras, o que dá um percentual de 42%
A lista, divulgada anualmente pelo Conselho Cidadão para a Segurança Pública e a Justiça Penal, leva em conta o número de homicídios por 100 mil habitantes e inclui apenas cidades com 300 mil habitantes ou mais. Foram excluídos países que vivem “conflitos bélicos abertos”, como Síria e Iraque.
Das cidades brasileiras, a primeira a aparecer é Fortaleza, em 12º lugar. Em seguida vem Natal, em 13º, Salvador e região metropolitana, em 14º, e João Pessoa (conurbação), em 16º.
Belo Horizonte, que figurava na lista do ano anterior, desta vez não apareceu. O contrário aconteceu com 3 cidades brasileiras, que estavam fora da lista de 2014, mas entraram na de 2015:  Feira de Santana-BA (27º), Vitória da Conquista-BA (36º) e Campos dos Goytacazes-RJ (39º), com 36,16 homicídios em 2015 para cada 100 mil habitantes.
Também aparecem Maceió-AL (18º lugar), São Luís-MA (21º), Cuiabá-MT (22º), Manaus-AM (23º), Belém-PA (26º), Goiânia-GO e Aparecida de Goiânia-GO (29º), Teresina-PI (30º), Vitória-ES (31º), Recife-PE (37º), Aracaju-SE (38º), Campina Grande-PB (40º), Porto Alegre-RS (43º), Curitiba-PR (44º) e Macapá-AP (48º).
Das 50 cidades da lista, 41 ficam na América Latina: 21 no Brasil, oito na Venezuela, cinco no México, três na Colômbia, duas em Honduras, uma em El Salvador e uma na Guatemala. Outros países com cidades na lista foram África do Sul, Estados Unidos e Jamaica.

Literatura

 "COWBOYS DO ASFALTO: MUSICA SERTANEJA E MODERNIZAÇAO BRASILEIRA"
Cowboys do asfalto é o primeiro livro que inclui o sertanejo e o sertanejo universitário na linhagem da música caipira – mas é muito mais do que um livro sobre música sertaneja. As histórias e as polêmicas recuperadas com precisão por Gustavo Alonso transformam-se no perfeito cenário para retratar as transformações ocorridas no Brasil, do interior às capitais, nos últimos 50 anos.

Além de mudanças políticas, descobrimos como a percepção de bom e mau gosto tem sido construída por artistas, universidade e mídia. Afinal, a quem interessaria manter por décadas a MPB e a música caipira distante dos sertanejos? E por que o sertanejo universitário causa horror aos ouvidos mais sensíveis?

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Transporte ferroviário

Cataguases-MG/Tês Rios-RJ
Minas deve ganhar uma nova modalidade de transporte em direção ao Rio de Janeiro a partir do primeiro semestre desta ano. Batizado de "Expresso Trem da Terra", a composição sob trilhos é resultado da iniciativa de voluntários, empresários e autoridades dos dois Estados, que se reuniram para criar um trem turístico que vai ligar Cataguases, na Zona da Mata, à cidade fluminense de Três Rios, passando por outros seis municípios.
Duas locomotivas da composição já foram cedidas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) à Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) Amigos do Trem, que será responsável pela operação.
As viagens serão realizadas aos sábados, domingos e feriados, duas vezes ao dia, e terão cinco horas e meia de duração. O trecho de cerca de 180 km inclui, além das cidades de partida e chegada, os municípios de Recreio, Leopoldina, Volta Grande, Além Paraíba e Chiador, todos na Zona da Mata, em Minas, e Sapucaia, no Rio.
Poços de Caldas-MG/Águas da Prata-SP
A Prefeitura de Poços de Caldas, no Sul de Minas, conseguiu um termo de cessão para uso gratuito do trecho da linha férrea entre a antiga Estação Ferroviária da cidade e a Estação Ferroviária Bauxita. Com isso, a administração municipal pode dar andamento ao projeto de reativação do trem turístico que liga Poços de Caldas a Águas da Prata (SP).
Depois de muitos estudos, reuniões e discussões para a reativação da linha, a prefeitura conseguiu a cessão na semana passada. Pelo documento, o Governo Federal, por meio do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), cede oficialmente a linha férrea para Poços de Caldas em um contrato de 20 anos, que pode ser prorrogado.

A ideia é que o trem volte a circular e atenda o turismo na cidade e também em Águas da Prata. A linha funcionou como transporte de passageiros até 1976 e na década de 1990, virou um trem turístico, que funcionou apenas naquela década.